O que é Hemoglobina Glicada – HbA1c

O que é Hemoglobina Glicada, ou teste de A1C

Se você é diabético, provavelmente já teve requisitado pelo médico um exame (de sangue) para testar a Hemoglobina Glicada. Mas, o que é exatamente esse exame, e o que ele mede especificamente? Como eu tive de fazê-lo, fiquei curioso e fui pesquisar do que se trata. E, logo s seguir, descrevo o que descobri em livros, artigos e conversando com meu endocrinologista.

O que é A1C

A hemoglobina glicada, também conhecida como glico-hemoglobina, HbA1c ou ainda apenas A1C (termo mais comum atualmente), é uma ferramenta de teste e avaliação da glicemia em pessoas com diabetes (ou com suspeita), empregada desde 1958, sendo atualmente uma das formas mais importantes de avaliação do controle glicêmico.

A hemoglobina é uma proteína encontrada dentro das células vermelhas do sangue (hemácias), e é responsável por carregar oxigênio para o corpo. Essas células possuem um tempo de vida de até cerca de 4 meses, e então morrem, sendo substituídas por novas células formadas no organismo.

O teste de A1C mede a taxa de ligação entre moléculas de açúcares (glicose, por exemplo) e moléculas de hemoglobina A (HbA) no sangue (mais precisamente, a um aminoácido chamado de valina, que faz parte da composição da hemoglobina). Essa ligação ocorre de forma lenta, é estável e irreversível, ou seja, uma vez estabelecida, permanece durante todo o tempo de vida das hemácias, em torno de 120 dias. A A1C reflete a média glicêmica dos últimos (em torno de) 2 a 3 meses.

Em outras palavras, o teste de hemoglobina glicada se refere à média do nível de açúcar que esteve no seu sangue durante os últimos três meses.

Como é o teste de hemoglobina glicada

Trata-se de um teste muito simples (para o paciente), consistindo em uma coleta de sangue comum em um laboratório especializado. O paciente não precisa necessariamente estar em jejum para essa coleta, porém resultados mais precisos podem ser obtidos se ele estiver sem comer há pelo menos duas horas. O teste fica pronto rapidamente, em poucos dias.

Para que serve o teste de hemoglobina glicada

Esse teste pode ser usado como valor de índice da glicemia média, como teste de diagnóstico para o diabetes (em adição a outros testes, como a glicemia de jejum), além de servir como medida do risco existente para o desenvolvimento das temidas complicações da diabetes, como problemas nos olhos, coração, rins e sistema nervoso, que podem levar á cegueira, AVC, amputação de pés ou pernas, infartos e outros.

Note que esse teste não permite saber o tipo da diabetes, caso diagnosticada. Para saber se o paciente possui diabetes tipo 1 ou diabetes tipo 2, por exemplo, são necessários outros testes, como o Anti ICA 512, entre outros).

Como exemplo de elevado risco, quando fui diagnosticado com diabetes tipo 1, o endocrinologista me pediu para realizar esse exame. E o resultado mostrou que estava com o valor da A1C em 12,7%, absurdamente elevado!

Seus valores de referência, de acordo com a SBD (Sociedade Brasileira do Diabetes), são:

  • Normal: de 4,5 a 5,6%
  • Pré-diabetes (risco de diabetes): de 5.7 a 6.4%
  • Compatível com Diabetes: a partir de 6.5%
Teste de HbA1c - Hemoglobina Glicada em Diabetes
Valores de referência para o teste de A1C

Pacientes com diabetes, no geral, tem como meta de controle glicêmico manter o valor da A1C em no máximo 7%, pois valores acima deste patamar, se mantidos de forma consistente, permitem o desenvolvimento da complicações crônicas da diabetes. Porém, esse valor pode mudar ligeiramente de pessoa para pessoa, sendo algo importante a se discutir com um médico especialista.

Recomenda-se que esse exame seja realizado ao menos duas vezes ao ano em pacientes diabéticos, ou mais dependendo do caso, pois ele ajuda a mensurar o risco do desenvolvimento de complicações associadas ao diabetes, como retinopatias (olhos), neuropatias (sistema nervoso) e nefropatias (rins), entre outros. É comum que seja requisitado pelo médico a realização do teste a cada três meses, caso o paciente não esteja atingindo os resultados esperados com seu tratamento.

Glicose Média Estimada – GME

É interessante notar que existe uma correlação entre o valor da hemoglobina glicada e média dos valores de glicose no sangue, e essa correlação recebe o nome de Glicose Média Estimada (GME) ou em inglês Estimated Average Glucose (eAG). Esses valores são obtidos a partir da aplicação de uma fórmula matemática sobre o valor de A1C medido, fórmula essa que se baseia em uma relação linear entre os níveis de A1C e a glicose média sanguínea. A fórmula empregada é a seguinte:

GME = 28,7 X A1C – 46,7

Com isso, podemos ter uma ideia do valor médio de glicemia no sangue de uma pessoa nos últimos três meses.

A tabela a seguir mostra alguns valores calculados de GME, em relação a valores de A1C:

A1C (%) GME (mg/dl)
4,0 68
4,5 82
5,0 97
5,5 111
6,0 126
6,5 140
7,0 154
7,5 169
8,0 183
8,5 197
9,0 212
9,5 226
10,0 240
10,5 255
11,0 269
11,5 283
12,0 298
12,5 312
13,0 326
13,5 341
14,0 355

Por exemplo: Ao dar entrada no hospital com cetoacidose diabética, foi realizado o teste de hemoglobina glicada em mim, e o resultado apontou o valor de 12,8%. Aplicando a fórmula acima chegaremos ao valor de glicemia média estimada de:

28.7 X 12,8 – 46.7 = 320,66

Arredondando, 321 mg/dl, um valor bastante elevado.

Não tente enganar seu médico – e a si mesmo

Um fato interessante sobre o exame de HbA1c é que ele permite descobrir se o paciente está seguindo as orientações médicas relativas a seu tratamento, pois muitas pessoas não seguem as restrições dietéticas, por exemplo, como sugerido pelo especialista. Os níveis de glicose oscilam com facilidade se o tratamento não for realizado de forma adequada, e isso deixa uma “impressão” nas células de hemoglobina do sangue, de modo que mesmo que o paciente siga suas recomendações dietéticas e medicamentosas (como não comer doces, por exemplo) nos dias que antecedem uma consulta, para que o teste no consultório pareça satisfatório, a A1C não o deixará enganar o médico – irá apresentar o acúmulo de glicose das semanas anteriores registrado.

Buscar a redução no nível médio da A1C é muito importante para evitar problemas severos, sendo que estudos demonstram que, para cada 1% de redução obtido, o risco de complicações é reduzido em:

  • Amputação: 43%
  • Problemas microvasculares: 37%
  • Óbito relacionado ao diabetes: 21%

O que claramente é um incentivo à realização e manutenção de um tratamento adequado para o diabético.

Como abaixar o valor da hemoglobina glicada?

Abaixar o nível de A1C é algo que pode levar um certo tempo, talvez meses. Claro que isso depende de fatores como os níveis de glicose em seu sangue, tipo de atividade que você consegue realizar, e do quão bem você consegue manter sua glicemia controlada.

Alguns dos principais fatores que você pode controlar para atingir seu objetivo de A1C estão listados a seguir:

  • Tomar as medicações indicadas pelo médico especialista de forma controlada, sejam elas medicações orais ou injeções de insulina
  • Controlar o consumo de carboidratos por meio de uma dieta balanceada, preferencialmente com acompanhamento de um profissional especializado, com um/uma Nutricionista
  • Testar sua glicemia diariamente, preferencialmente algumas vezes, por exemplo antes e depois das refeições e antes de dormir, para manter o controle sobre seus níveis, e saber quando agir de forma diferente do habitual. Registre os valores das medições em uma planilha, tabela, ou em algum aplicativo – eu, por exemplo, tenho usado o app mySugr e gostado bastante.
  • Realizar atividades físicas de forma regular também é essencial. Ao realizar exercícios, seus músculos utilizam os carboidratos presentes no corpo, ajudando a baixar a glicemia. Converse com seu médico para verificar o tipo de exercício mais adequado, que irá variar dependendo do tipo de diabetes, sua idade, se há complicações ou outras doenças presentes, entre outros fatores.

Lembre-se: essas ações devem fazer parte de seus hábitos diários, e por toda a vida.

Referências

Posicionamento Oficial SBD, SBPC-ML, SBEM e FENAD 2017/2018. Acessível em https://www.diabetes.org.br/publico/images/banners/posicionamento-3-2.pdf.

Saudek, C.D.; Rubin, R.R.; Shump, C.S. The Johns Hopkins Guide to Diabetes. Johns Hopkins Press. 2001

All About the Hemoglobin A1C Test. Acessível em https://www.healthline.com/health/type-2-diabetes/ac1-test.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *